Nossa velha amiga, a Morte.

Hoje, o tema é um tabu. Para alguns, o título do post pode parecer um pouco macabro. Acredite, essa não é a intenção.

O caso é que nunca tive muito medo da morte. Talvez um pouco do momento em si, quando você percebe que acabou, que dali a um segundo você vai finalmente desvendar os mistérios dessa velha amiga. Desse momento, em que a morte é certa e você sabe disso, é o que eu tenho medo.

Da morte em si, nunca tive medo. Posso culpar minha fé, que mesmo em meus piores momentos, sempre me deu a certeza de que não acabava ali. De que eu não seria apenas uma massa orgânica dentro de um caixão de madeira enterrado na terra. Para mim, parece claro que não há como toda essa bagunça ter acontecido por nada. Talvez você não acredite nisso, eu respeito sua opinião. Mas serei sincera, e não pretendo aqui entrar em uma discussão sobre vida, morte e religião: apesar de respeitar que existem pessoas com outras opiniões que divergem radicalmente da minha, eu não entendo a idéia de que tudo pode acabar ali, no momento em que seu corpo pára de exercer todas aquelas atividades necessárias à vida. E isso é bom, provavelmente você não entenda também como alguém possa acreditar em um ser superior que nos criou, ou que a vida continua apesar da morte. Não é meu objetivo com esse texto fazer você acreditar no que eu acredito, ou então me dar a razão. É apenas colocar em palavras sentimentos com os quais convivo.

O melhor dessa história toda é que não importa quem está certo, quando a gente descobrir não vai poder voltar pra contar.

E é essa certeza que a minha fé me dá que me faz não ter medo da morte. Fico triste, a morte afinal muitas vezes nos separa daqueles que amamos. Fico com saudades daqueles que já se foram. Às vezes, fico brava e brigo com Deus (sim, aquele ser superior que eu acredito que me criou e que me ama) por achar que alguém morreu ced0 demais ou na hora errada. Mas quando a raiva e a indignação passam, percebo que eu sei muito pouco para saber qual é a hora certa de viver ou morrer, e que existem razões para tais decisões não estarem em minhas mãos.

A morte pra mim é natural, exatamente por ser mais uma etapa. É desconhecida, e por isso tantas pessoas tem medo dela. Mas acho que a imortalidade nunca seria algo que eu desejaria. Porque viver para sempre, para mim, tem muito mais a ver com chegar à vida eterna do que com não morrer.

1 comentário

Arquivado em Papo Sério

Uma resposta para “Nossa velha amiga, a Morte.

  1. Lucy

    Eu concordo com vc, Mari. Pra mim é difícil pensar na morte, achando que tudo termina no último suspiro ou na última batida do coração, quando para de bombear sangue que leva oxigênio pro cérebro.

    Eu já tive medo da morte, acho que é porque eu tenho 100% de certeza que ela vai acontecer pra todo mundo, inclusive pra mim. É uma coisa, né? Mas ficar se preocupando com isso é besteira. Eu acredito que ninguém morre antes da hora, mesmo questionando e perguntando “poxa vida, mas era uma pessoa legal… por quê?”

    Muita gente acha que Deus é injusto por nos privar da companhia de pessoas queridas e boas, quando um monte de gente ruim continua viva. Eu não acho que seja por aí, cada um tem uma sina a cumprir aqui e só parte pra outra no dia marcado.

    Bjos, Mari!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s