Pré-Conceitos

 (Post originalmente publicado no blog Chocolates e Devaneios, em 19/04/2011)

     Não importa quantas vezes a gente ouve na vida que não se deve julgar um livro pela capa, sempre acabamos, em algumas situações, por nos deixar levar por esses malditos pré-conceitos que carregamos ao longo da nossa história de vida.

     A verdade é que todo mundo tem algum, e mesmo que a gente tente se livrar deles, muitas vezes não consegue. Afinal, é algo típico do ser humano fazer algumas suposições baseadas apenas no que se vê. Chego até a ser louca o suficiente para afirmar que isso em si não é algo ruim.


     Calma, antes que me venham com mil pedras na mão, explico: o problema não é fazer esses pré conceitos, o problema é tomar eles por verdade verdadeira e não se deixar convencer do contrário. O pior erro que a gente pode cometer é deixar de conhecer alguém, e eu falo em conhecer mesmo, formar amizade, porque essa pessoa não se molda no perfil que acredita-se ser o perfeito.

     Em várias ocasiões, tive amigas que muita gente não entendia como eu conseguia suportar. Algumas amigas minhas tinham a fama de ser “metidas”. Era uma pena, porque acabam sendo excluídas pelo resto da turma e no fim das contas, elas não tinham nada de metidas.

     Pensando um pouco, fico feliz em ver que nunca me deixei levar pelo que os outros dizem de sicrano ou beltrano. Sempre quis conhecer a pessoa e comprovar se tudo o que falavam era verdade ou não. Algumas vezes, infelizmente, os rumores estavam certos: vi muita falsidade e muita hipocrisia. Mas teve vezes (e não foram poucas), que conheci pessoas maravilhosas, apenas incompreendidas.

     Lembro de uma ocasião em especial, quando comecei a falar para uma amiga a seguinte frase: “Sabe, sempre quis dizer uma coisa para você”. Na verdade, queria dizer alguma coisa sobre o relógio dela, que eu achava lindo, mas ela já havia imaginado que eu diria que tinha achado que ela era metida antes de a conhecer. Aparentemente, muitas amigas dela já tinham dito isso.

Preconceito, no fim das contas, é uma forma de proteger a nós mesmos do desconhecido, assim fingimos que sabemos tudo sem ter o trabalho de conhecer… e às vezes, de nos machucar. Mas a verdade é que quando a gente se protege demais, também acaba deixando passar muita coisa boa.

    Proponho um desafio para vocês: deixem os preconceitos de lado, nem que seja por uma semana, e fale com aquela pessoa que você nunca nem chegou perto porque “parece” estranho, metido, falso… Não vou dizer que vocês terão ótimas surpresas sempre, mas pelo menos, se não as tiverem, terão tido a oportunidade de formar uma opinião baseadas em suas experiências, e não apenas em aparências.

1 comentário

Arquivado em Papo Sério

Uma resposta para “Pré-Conceitos

  1. Mari, o que a gente faz quando vê que a pessoa está na defensiva e não deixa a gente se aproximar, pq já tem um pré-conceito sobre nós mesmas? T_T

    Gostei mto do seu post e tem mta verdade: Não adianta, o ser humano vai ter sempre um preconceito. Isso me lembra mto um livro de antropologia que li no primeiro ano de facul (pois é, há tanto tempo!) que se chama O que é etnocentrismo. Tem um pouco a ver com o que vc falou.

    Bjos bjos!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s