Acabei de Assistir: Hide – Doctor Who

Continuando a série de reviews dos episódios dessa sétima temporada de Doctor Who, aqui vão algumas considerações a respeito do episódio exibido no último sábado, 20, no Reino Unido e nos Estados Unidos, Hide, escrito pelo Neil Cross, mesmo escritor de The Rings of Akhaten.hide1

O episódio Hide prometia, por todos os seus trailers, ser um episódio aterrorizante. Com efeito, o Doctor e a Clara vão aos anos 70 para procurar um fantasma numa mansão mal-assombrada. Eles estão lá para ajudar o Professor Alec Palmer e sua assistente, Emma, uma empática. Algumas cenas realmente parecem cenas de filme de terror, com relâmpagos e sombras contribuindo para o ambiente sinistro.

No fim das contas, porém, o Doctor descobre que o fantasma que assombra a casa nada mais é do que uma pioneira em viagens no tempo, Hida, que por um acidente, acabou caindo num pocket universe (algo como um universo de bolso, não um paralelo – ele faria parte do nosso universo, mas com regras de tempo e espaço próprias). E aparentemente, nesse pocket universe o tempo passa muito mais devagar, então três minutos que ela passa por lá seriam milhares de anos.

Claro que nada é tão simples, e ela está sendo perseguida por um monstro nesse pocket universe, o que a faz gritar por socorro, e é esse pedido que faz a Emma se comunicar com ela, porque ela sente o desespero.

Enfim, o Doctor consegue abrir uma passagem para o pocket universe com a ajuda dos poderes empáticos da Emma, salva a Hida e ainda descobre que o monstro na verdade só quer sair do pocket universe, já que sua companheira mora na casa assombrada.  hide-helpme

Gostei de que a Clara se emociona ao assistir todo o ciclo de vida da Terra. Quando ela vira pro Doctor e fala “Nós somos todos fantasmas para você”, foi uma afirmação muito forte, e tenho certeza que uma daquelas coisas que o Doctor não se permite pensar muito. A Clara aliás é uma personagem bem interessante e tenho gostado muito dela como companion até agora.hide-clara

No geral, gostei muito do episódio. Mas existem algumas dúvidas que ficaram que, se não forem solucionadas, sinceramente, vão fazer o episódio perder todo o brilho. Primeiro: o fato de que a TARDIS usou sua interface para conversar com a Clara. Não que eu não aprove ouvir mais a TARDIS, o problema é que tira toda a magia de The Doctor’s Wife, quando ela tomou a forma humana e ganhou voz pela primeira vez. Por mais que a interface da TARDIS já tenha aparecido em Let’s Kill Hitler, ela foi acionada pelo Doctor, que tem toda uma conexão telepática com a TARDIS. 

Isso poderia dizer que a Clara também tem essa conexão, mesmo com a TARDIS não gostando dela? Poderia. Mas também acho estranho, porque não só a TARDIS se mostrou com a imagem da própria Clara, dizendo que ela era programada para mostrar a imagem que a pessoa mais estima, ela logo depois decide fazer o que a Clara pede e aí que eu tenho que dizer que o episódio comete um crime contra o canon de Who: a TARDIS se pilota sozinha.hide-doctorclara

Nós sabemos que a TARDIS muitas vezes ignora o Doctor e simplesmente vai para onde quer. Em The Doctor’s Daughter, por exemplo, ela sequestra a Martha e vai para o local e momento exato em que o Doctor deveria estar para dar vida à Jenny, caso contrário teria sido criado um paradoxo. Em The Doctor’s Wife, quando o Doctor reclama para ela mesma que ela não é lá muito confiável, nunca o levando para onde ele quer, ela responde que ela sempre o levou para onde ele precisava.

Mas, mesmo assim, nós já tivemos muitos momentos em que o Doctor esteve em apuros e que tudo teria se resolvido de maneira bem menos complicada se a TARDIS tivesse voado sozinha: um bom exemplo é em Parting of the Ways. Para a Rose conseguir levar a TARDIS de volta ao Satellite 5 e salvar o Doctor, ela tem que absorver o Time Vortex. Eu imagino que seria muito mais fácil se a TARDIS tivesse simplesmente sido convencida a fazer o caminho de volta.

Nem vou comentar muito, porque prefiro fingir que um certo episódio não existe da segunda temporada, mas é outra situação que o auto-piloto salvador de Doctors em apuros da TARDIS poderia ter feito uma bela aparição (deixo para quem não sabe de que episódio estou falando dar uma pesquisada).

Entretanto, aqui, a TARDIS simplesmente viaja para o pocket universe que o Doctor se encontra. E é ela mesmo que se pilota, não a Clara, que a gente vê sendo jogada de um lado para outro dentro da TARDIS. Ouch, mas quem manda xingar a TARDIS também?

Eu espero sinceramente que exista uma explicação para isso. Até agora, só os episódios do Neil Cross entraram nesse assunto, já que o Moffat estava mais preocupado com apresentar a Clara e a Great Intelligence e o Mark Gatiss em apresentar o Ice Warrior. Nós quase não vimos a TARDIS nos outros dois episódios. Talvez tenha uma ótima explicação. O problema é que, na era Moffat, se a explicação não veio no próprio episódio, você tem que torcer muito para que ela venha nos próximos e não seja simplesmente jogada para escanteio.

Talvez a resposta esteja no episódio desse próximo sábado, Journey to the Centre of the TARDIS. Torçamos por isso. foto3

Deixe um comentário

Arquivado em Acabei de Assistir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s