Acabei de Ler: Zumbis x Unicórnios – Holly Black e Justine Labastier

Zumbis x Unicórnios é uma antologia organizada pelas escritoras Holly Black – líder do time dos Unicórnios – e Justine Labastier – líder do time dos zumbis. Conforme elas mesmo vão explicando no começo de cada um dos contos, a antologia foi idealizada graças às discussões das duas sobre quem seriam as melhores criaturas: zumbis ou unicórnios. Como essa é uma questão que eu tenho certeza tira o sono de muitos vocês, resolvi ler o livro e tirar minhas próprias conclusões: afinal, sou time zumbi ou unicórnio?zumbis x unicornios
Bem, devo dizer que eu já sabia a que time pertencia antes de ler os contos, porém tentei abrir meu coração para os unicórnios… mas não teve jeito, sou time zumbi mesmo! Devo dizer entretanto que ambos os times tiveram escritores de peso, bem como que alguns dos contos de unicórnios foram muito bons.
As organizadoras dividiram a antologia apresentando contos de unicórnio e zumbi intercalados, sempre fazendo uma introdução a cada um deles, tentando cada uma defender seu time e esculachar o outro (se bem que esse último objetivo foi muito melhor alcançado pela Justine do que pela Holly). No livro físico, cada uma das páginas era identificada com um pequeno unicórnio ou um pequeno zumbi, mas eu só sei isso porque li outras resenhas: tive que me contentar com o e-book, já que o livro físico, além de ser muito mais caro (R$ 42,00 contra R$ 9,90 do e-book), estava em falta em todas as livrarias que eu procurei.
Mas o e-book também teve uma figura de unicórnio ou de zumbi antes de cada um dos contos e, apesar de achar que o livro físico deve estar caprichadíssimo, acho que fico feliz só com ele mesmo.
Como falar de antologia é meio complicado, decidi tecer rápidos comentários sobre cada um dos contos do livro:
A Mais Alta Justiça – Garth Nix (Unicórnios)
 Esse conto é bem curtinho, e traz os unicórnios de uma maneira mais tradicional, numa época de reis e rainhas. Gostei do conto, mas não foi um dos que mais me chamou a atenção.
Love Will Tear Us Apart – Alayna Dawn Johnson (Zumbis)
 O primeiro conto de zumbis do livro é um romance… e sobre um zumbi gay. Eu achei um conto legal, mas devo admitir que zumbis com emoções não são meu tipo de zumbi preferido. Uma coisa muito legal desse conto são as referências musicais que a autora faz.
Teste de Pureza – Naomi Novik (Unicórnios)
Um unicórnio sarcástico, uma “virgem” que é a heroína relutante, e um mago malvado vivendo uma aventura no meio de Nova York. Gostei muito desse conto, é com certeza o conto mais divertido do livro.
Buganvílias – Carrie Ryan (Zumbis)
Amei esse daqui. Se tem uma coisa que eu amo lendo histórias de zumbis é o cenário pós-apocalíptico, pessoas tendo que sobreviver… Junte-se a isso uma ilha paradisíaca, piratas e uma rebelião e você me ganha. Um dos melhores contos do livro.
Mil Flores – Margo Lanagen (Unicórnios)
Esse conto aqui pode ser definido por uma única palavra: confuso. Para mim foi o pior conto do livro, mudava o ponto de vista sob o qual estava sendo contada a história sem aviso nenhum, e a própria história foi muito sem pé nem cabeça.
As Crianças da Revolução – Maureen Johnson (Zumbis)
Para mim, o melhor conto do livro. Sério, amei o apocalipse esperando para acontecer que a Maureen Johnson criou nesse conto, a forma como seus zumbis se criam… Ah, e se você não segue essa escritora no Twitter, faça isso. Os tweets dela são muito engraçados.
O cuidado e a alimentação de seu filhote de unicórnio assassino – Diana Peterfreund (Unicórnios)
Outro conto que eu gostei do time dos unicórnios. Aqui, eles não são criaturas boazinhas. Aliás, eles bem que se parecem com unicórnios zumbis, são venenosos e adoram atacar humanos. Existe toda uma mitologia que a autora desenvolveu para os seus unicórnios, inclusive fiquei com vontade de ler o livro dela sobre o assunto.
Inoculata – Scott Westerfeld (Zumbis)
Scott Westerfeld não poderia jamais ter escrito para o outro time, senão a esposa dele, a Justine, mandaria ele dormir no sofá. O conto dele é interessante, mas não me chamou muita atenção. Tenho uma relação meio amor e ódio com o escritor, principalmente após ler a trilogia Feios, mas esse conto não foi ruim… só não foi tão bom assim.
Princesa Bonitinha – Meg Cabot (Unicórnios)
Meg Cabot sempre escreve contos legais, e esse realmente é. Seu unicórnio peida arco-íris, literamente, e você ainda tem a velha rixa populares x excluídos típica de colegiais americanos. Só me pergunto se ela não caiu num lugar comum demais nesse conto.
Mãos Geladas – Cassandra Clare (Zumbis)
É, nem em conto de zumbis. Eu não li porque não leio Cassandra Clare. PRÓXIMO!
A Terceira Virgem – Kathleen Duey (Unicórnios)
Esse daqui foi interessante, mas achei longo demais, e não gostei tanto da conclusão. Pelo menos não foi um conto confuso, mas mesmo assim… parece que faltou alguma coisa para ser bom.
A Noite do Baile – Libba Bray (Zumbis)
Gostei desse conto, que também tem um cenário meio que apocalíptico, onde todas as crianças/adolescentes foram deixadas pelos seus pais, que eram os grandes transmitidores da infecção. Assim, são os adolescentes que devem cuidar das lanchonetes, que fazem o papel da polícia… tudo sempre com a ameaça de um ataque dos infectados. Bem interessante, e acaba de um jeito que pode ser interpretado como esperançoso… ou não. Ótima escolha para fechar o livro.
Concluindo? Uma idéia muito doida brigar se você é time zumbi ou time unicórnio, mas funcionou! Alguns contos são chatos, mas a maioria é bem legal. E sim sou time zumbi!mari-transp

Deixe um comentário

Arquivado em Acabei de Ler

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s