A Representação da Pessoa com Deficiência na Sociedade

Uma campanha organizada por uma organização chamada Pro Infirmis,de Zurique, na Suíça, me chamou atenção essa semana. Reunindo pessoas com as mais diferentes deficiências físicas, a idéia foi fazer manequins, desses que ficam nas vitrines das lojas para mostrar o caimento das roupas e chamar a atenção de quem passa na frente, com as medidas das pessoas com deficiência e também com a mesma forma de seus corpos.

Interessante, porque quando paramos para pensar, os manequins de loja são praticamente iguais, feitos no padrão que as revistas e os programas de TV impõem como o corpo perfeito: quase não existem manequins representando pessoas baixas ou gordas, e mesmo quando existem, estão nas chamadas lojas especializadas. A própria palavra “gorda” traz uma imensa conotação negativa, enquanto “magra” é frequentemente utilizada como um elogio. Para amenizar, nós costumamos colocar tais palavras no diminutivo, já que baixinha e gordinha são um pouco mais… carinhosas. Você já parou para pensar no porquê? E mesmo que a justificativa de que é preciso emagrecer pela saúde, já que ser gorda pode trazer vários problemas de saúde, eu me pergunto: e ser magra não traz?
Mas, enfim, talvez essa seja uma discussão para outro momento, já que aqui estamos falando dos manequins modelados nas pessoas com deficiência. Confesso que um dos principais motivos para ter dado play no vídeo foi o fato de que na imagem de preview aparecia uma das modelos que tinha uma escoliose muito parecida com a minha. Ela é baixa como eu e tem o andar parecido também. E fizeram um manequim de acordo com as medidas dela. Aliás, esse manequim foi parar na vitrine de uma loja de roupas na rua, e as pessoas paravam para olhar. Ora, é algo diferente, que instiga a pessoa a refletir.
A campanha tem o objetivo de mostrar que, afinal, ninguém é igual. E por isso, não temos que ser todos representados com o manequim padrão. Fazer com que as crianças entendam que existem diferenças entre as pessoas sim, e isso não é motivo para medo ou para risadas, seria algo muito mais fácil se junto com as pessoas altas e magras também fossem apresentadas da mesma forma pessoas cadeirantes, pessoas que não possuem uma perna ou que tenham apenas três dedos no pé. A representação na mídia, nas redes sociais e nas propagandas é importante, porque ajuda a lembrar que somos diferentes mas que nossas diferenças não nos fazem de maneira alguma inferiores ou menos merecedores de admiração (ou pior, merecedores de pena). Pense nisso.mari-transp

1 comentário

Arquivado em Bolinhas Aleatórias

Uma resposta para “A Representação da Pessoa com Deficiência na Sociedade

  1. Que vídeo lindo. Adorei! Adorei porque eu nunca vi uma manequim remotamente parecida comigo, a não ser que eu vá na seção infantil, daí tem algumas do meu tamanho rs. E como você disse, não é pra sentir pena, mas é bom pensar em como ninguém é “perfeito”.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s