Terças Whovians – Minha Companion Preferida

Apresentando hoje o primeiro de uma série de posts sobre a uma das minhas séries preferidas, Doctor Who. Toda terça, um novo post sobre um assunto diferente de Doctor Who, pra quem assiste e quiser deixar sua opinião nos comentários, e pra quem nunca assistiu ficar conhecendo um pouco da série e quem sabe, começar a assistir. Bem-vindos à primeira Terça Whovian do blog Pequenos Retalhos, sobre a minha companion preferida, Rose Tyler!

tercaswhovians2

Rose Tyler é uma personagem da série Doctor Who. Quando tinha 19 anos, Rose (interpretada pela linda e talentosa Billie Piper) foi salva pelo Doctor de um ataque de autons, manequins assassinos que estavam no sótão da loja de departamentos aonde ela trabalhava em Londres. Após ajudar o Doctor a salvar a cidade dos autons, Rose foi convidada por ele para viajar pelo tempo e espaço em sua TARDIS. Num primeiro momento, ela não quis, por ter sua mãe e o namorado para cuidar. Porém, quando o Doctor voltou (dez segundos depois do ponto de vista da Rose) e comentou que a TARDIS também viajava no tempo, ela aceita o convite e passa a ser sua acompanhante (companion) nas viagens através do tempo e espaço.
boomtown-rose
A personagem da Rose teve um papel muito importante na volta de Doctor Who à TV. A série estava num hiatus desde 1989, e apesar do filme para a TV lançado em 1996 e das várias aventuras lançadas em áudio e quadrinhos, foi em 2005 que a série voltou a ter episódios regularmente na TV. Para apresentar essa série pouco convencional e conquistar novos fãs que tinham crescido assistindo dinossauros e guerras interestelares extremamente convincentes, era necessário que as pessoas se identificassem com a série.

A Rose foi esse ponto de reconhecimento. Ela vai aprendendo sobre quem é o Doctor, sobre como ele viaja no tempo e espaço, e com isso o mundo de Doctor Who vai sendo apresentado para quem ainda não o conhecia. Ajudou e muito que a Rose era uma jovem que trabalhava como atendente em uma loja, sem muita perspectiva, ainda um pouco perdida sobre o que vai fazer. Afinal, quem nunca se sentiu assim?

Aos poucos, Rose foi abrangindo seus horizontes. Nas suas viagens com o Doctor, ela vai se conhecendo melhor, vai encontrando valor nas coisas que faz e vai descobrindo que pode fazer diferença. O desenvolvimento da personagem e a sua trajetória vai sendo construído durante os episódios, e ela não só aprende muito com o Doctor, mas ensina muito para ele.

Sim, porque o Doctor que conhece a Rose (o Nono Doctor, interpretado pelo Christopher Eccleston) é o Doctor que acabou de sair da Guerra do Tempo e o que foi responsável por um ato terrível para acabar com ela, então ele ainda sofre muito com o peso dessa decisão e por isso é muito fechado e severo. Ele tenta não se envolver demais e tomar as decisões da forma mais racional possível. Convivendo com essa jovem de dezenove anos, o Senhor do Tempo de 900 anos vai aos poucos voltando a acreditar que ainda existem boas coisas pelo que lutar. O impacto que a Rose tem no Doctor é extremamente positivo. Ela devolve a esperança para ele.

A relação entre o Doctor e a Rose é uma relação de amizade que se torna uma relação romântica sim. Talvez não romântica no sentido de que eles expressem através de algo mais além de mãos dadas e abraços (e os muito raros beijos – muito raros mesmo), mas isso se dá mais pelo fato de que existe a grande diferença de idade e cultural entre os dois – ele nem é do planeta Terra – como também pelo fato de que Doctor Who é uma série de TV considerada no Reino Unido como familiar, e portanto não poderia focar nesse assunto. Mas isso não faz com que a história dos dois não seja uma história de amor.
rose
Quando a regeneração acontece (nas palavras do próprio Doctor, para enganar a morte, os Senhores do Tempo tem esse pequeno truque, em que todas as células do seu corpo se regeneram e ele se transforma em outra  pessoa) e o Nono Doctor se transforma no Décimo (interpretado pelo David Tennant) a relação entre os dois fica mais leve, mais alegre e eu acho que essa parte do romance fica mais clara. É como se não houvesse mais como negar.

Aliás é com a Rose que a gente passa pela regeneração, e é ela que acaba sendo a nossa voz na série, fazendo todas as perguntas que nós faríamos e tendo todas as reações que nós temos, passando da desconfiança até a eventual aceitação. Quando a Rose finalmente aceita esse novo Doctor, é como se todos nós aceitássemos com ela. Eu aceitei um pouco antes, mas acho que não sou parâmetro pra isso…

Acho que o que faz da Rose uma personagem tão popular é o quanto ela é real. Ela também se preocupa com as pessoas que conhece e luta pelo que acredita. Não é o tipo de mulher que aceita ser apenas uma figurante na história. Foi realmente uma primeira companion (alguém que acompanha o Doctor em suas viagens) ótima para a volta de Doctor Who às telas.

[A PARTIR DAQUI TEM SPOILERS – PULE SE QUISER]

O final da história da Rose como uma companion regular se deu no fim da segunda temporada de Doctor Who, num episódio chamado Doomsday. Para muitos fãs, esse é um dos episódios mais tristes de Who, e realmente é difícil controlar as lágrimas quando a Rose e o Doctor são separados, ela presa num mundo paralelo com sua mãe, Mickey e uma versão paralela de seu pai, e o Doctor sozinho do outro lado.

Porém, a história dela não acaba aí e ela volta na quarta temporada, para a grande season finale. Durante todo o tempo que ela passa no mundo paralelo, ela tenta arranjar um jeito de voltar para o Doctor. Então, quando Davros, um dos inimigos mais antigos do Doctor, constrói uma bomba para destruir toda a realidade, ele acaba criando brechas entre os mundos paralelos, o que permite que a Rose consiga pular entre eles com a ajuda de um canhão dimensional.
tenxrose02
Mas o Doctor acaba deixando a Rose novamente no mundo paralelo, com uma versão dele que é ele, só que com um único coração, ou seja, um corpo humano com um cerébro de Senhor do Tempo. E assim a Rose acaba tendo seu final feliz, na minha opinião, da melhor maneira possível, pois se ficasse com o Senhor do Tempo, ia acabar morrendo enquanto ele viveria para sempre (ou até suas regenerações acabarem) o que só traria sofrimento para os dois, já que ele também se culparia por não poder dar a ela uma relação normal.

[FIM DOS SPOILERS]

Rose se transformou rapidamente em uma das minhas personagens preferidas, e não consigo entender quem não gosta dela. Ela é egoísta em certos momentos, muito egoísta às vezes, mas isso é algo que transforma a personagem em real. Se ela fosse perfeita, ia ser chata.

Aliás, a aceitação da Rose é tão alta que frequentemente ela é votada a companion favorita dos fãs. A atriz Billie Piper foi inclusive convidada e participou do especial de 50 anos da série, e era uma das participações mais esperadas.

Rose Tyler foi um grande marco na história de Doctor Who e um ótimo meio de recomeçar a história das companions, ajudando a trazer a série para o século 21 e abrindo caminho para as companions que vieram depois dela.

E esses são só alguns motivos pelos quais eu amo tanto a Rose Tyler. E quem já assiste a série, qual é a sua companion favorita? Deixa aí nos comentários!mari

Deixe um comentário

Arquivado em Acabei de Assistir, Terças Whovians

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s