Terças Whovians: The Time of the Doctor

The Time of the Doctor foi o episódio de despedida do Matt Smith, e foi exibido no Natal de 2013. Como todo episódio que envolve a regeneração, minhas expectativas estavam bem altas. O que é uma pena, o episódio deixou muito a desejar e, ao invés de celebrar a era Matt Smith de Doctor Who, acabou sendo uma confusão de vilões e resoluções para enredos que deveriam ter sido resolvidos há três temporadas. tercaswhovians2

A falta de um enredo definido foi um dos principais problemas desse episódio. Steven Moffat pareceu ter acordado para a vida e percebido que tinha muitas pontas soltas para amarrar, do tipo “quem explodiu a TARDIS?” uma pergunta que surgiu no último episódio da quinta temporada e nunca tinha sido respondida, ou “o que são os Silence e por que eles querem matar o Doctor?” pergunta surgida na sexta temporada. Aí ele resolveu responder tudo de uma vez só, e o resultado final foi uma bagunça.

totd

Além do mais, o Doctor conseguiu ser um babaca completo com a Clara durante o episódio inteiro. Primeiro, quando ele está simplesmente pelado (para ir numa igreja, o que de certa forma faz a história ficar pior) e ao invés de pôr roupas para fingir ser namorado dela numa festa de Natal, ele se veste com um holograma que, depois de conhecer a família dela, ele explica que só ela vê o holograma, ou seja, a família dela o está vendo peladinho, peladinho.

Por falar na família dela, sabe quem estava lá? Nem eu. Acho que o pai, a avó e uma outra mulher que pode talvez ser sua madrasta, mas que nunca é explicado pra quem está assistindo. Legal isso.

Aí eles vão pra Trenzalore, conhecem a Tasha… alguma coisa, que para você entender como ela é uma personagem totalmente nova e prova da mente altamente criativa do Moffat, metade do fandom achou seriamente que era uma regeneração da River Song. Então ela é a chefe dessa super-igreja que está atacando Trenzalore porque os Time Lords estão lá, perguntando “Doctor who?” para todo mundo para poder confirmar que aquele é o universo certo e voltar.

Para impedir que o Doctor salvasse Gallifrey, uma parte dessa super-igreja voltou no tempo (aliás, os Silence eram os que pegavam as confissões na igreja, o que faz ainda menos sentido do que a história toda, já que o ideal seria que o padre esquecesse os pecados que lhe foram confessados – você esquecer que confessou os pecados meio que acaba com o sentido da coisa) e tcharan: EXPLODIU A TARDIS!!!! E sim, você esperou dois anos e meio por essa explicação, parabéns!

totd2

A Tasha vai, flerta com o Doctor (claro, né?) e aí o Doctor resolve que vai proteger a comunidade de Trenzalore. Ele engana a Clara, logo depois de prometer que nunca iria fazer isso com ela, já que ele é um babaca e uma coisa muito bonita começa a acontecer em Trenzalore: todos os inimiguinhos do Doctor vão para lá.  E aparentemente não, isso não é um replay de The Pandorica Opens, mas eu consigo entender porque você se confundiu.

Para deixar bem claro, eu odeio esse tipo de episódio com 2000 tipos de inimigos só para ser figurante. O Moffat adora. Enfim, ele fica lá em Trenzalore, ao invés de salvar enfiando todo mundo na TARDIS e dando o pé por motivos de Moffat e passam-se uns 600 (ou seriam 300?) anos e ele vai ficando velho e a Clara volta pra lá graças a Tasha que pega a TARDIS e volta para buscá-la.

Ainda bem, porque no fim das contas, o Doctor tá quase morrendo e essa seria sua última regeneração, já que o Moffat forçou a barra para mudar a conta, enfiando o Doctor John Hurt no meio e decidindo que sim, o Tentoo também contava (coisas que ele decidiu sozinho, já que queria muito escrever a última regeneração do Doctor), mas a Clara voltou e ela chora na fenda no tempo e espaço que existe em Trenzalore e suplica para que os Time Lords salvem o Doctor. Eles mandam mais regenerações para ele (quem sabe quantas? nesse ponto da história, isso importa?) e aí ele vai para a TARDIS, tem uma visão da Amy Pond dizendo boa noite para ele (uma das únicas coisas que eu gostei nesse episódio, well done) ranca a gravata borboleta e… espirra. Aí regenera pro Capaldi que não gosta da cor dos seus fígados ou algo assim.

Gente eu até tentei assistir a bagunça que foi esse episódio de novo, mas não consegui. Poucas coisas me deixaram mais desconfortáveis do que assistir um episódio de regeneração tão… louco desse jeito. Entrou pro meu TOP 3 de piores episódios de Who, o que me deixa triste, porque o Matt ficou quatro anos no comando da TARDIS. Ele merecia mais. mari-transp

1 comentário

Arquivado em Terças Whovians

Uma resposta para “Terças Whovians: The Time of the Doctor

  1. Maria Lourdes

    Rins. Novos rins. Não gosto da cor.
    Sim, uma bagunça… Como a bagunça que o. RTD fez em End of Time. O Ten cai de uma nave e não morre, quando o Tom Baker caiu de uns 50 metros e regenerou.
    Não, Mari, não é melhor nem pior. É o Doctor. Se você assistiu a série clássica você sabe que essa é a graça de Doctor Who, essa bagunça de estórias que não encaixam … e que ninguém liga!
    Afinal, nem todos os episódios são tão bem fechadinhos e coerentes como Blink…
    Que aliás é do Moffat…

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s