Terças Whovians: Before the Flood

Com o último episódio tendo acabado com uma baita reviravolta, muitas perguntas acabaram ficando para serem respondidas no quarto episódio dessa nona temporada. Vamos ver se o episódio de sábado foi suficiente para acabar com nossas dúvidas? Como sempre, spoilers recheiam esse post, então se você ainda não assistiu, corre lá e só depois de ter visto, volte aqui para ler e dar sua opinião também (bom, a não ser que você queira ler os spoilers antes da hora, aí é por sua conta e risco, hehehe).bf01

Bem, Before the Flood, para mim, não foi um episódio ruim, mas também não chegou a atingir as expectativas que eu tinha. E como eu já não tinha expectativas altas (aliás, elas estão ficando cada vez mais baixas, a cada episódio que passa – Doctor Who, não faz isso comigo), isso não foi lá um bom sinal.

O episódio começa com uma explicação do que seria um paradoxo de Bootstrap (ou, para uma melhor tradução, paradoxo ontológico), e por meio de uma pequena e simples história, envolvendo no melhor estilo Doctor Who, Beethoven, o Doctor de Capaldi explica e ainda de quebra, entra num solo de guitarra, que começa com a 5ª Sinfonia de Beethoven e se estende por toda a abertura, o que eu achei muito legal, para ser sincera. Acho a explicação meio desnecessária, mas ao mesmo tempo, gostei da maneira rápida e simplificada com que ela foi feita.bf02 bf03

O Doctor, como já tinha dito que ia fazer no episódio anterior, volta ao passado, para quando a nave pousou naquele local. Isso tinha me incomodado no episódio anterior, até comentei no post, mas com a explicação do paradoxo, pelo menos senti que ia ter uma explicação melhor, então acalmei.

Amei o ataque de fangirl da O’Donnell, achei interessante as referências que ela soltou de episódios anteriores (mesmo que por algum motivo estranho, ao citar as companions, ela tenha pulado a Donna – alguém entendeu?) e enfim… fiquei triste quando ela morreu e não gostei da insinuação que o Doctor teria deixado ela morrer para provar sua teoria. Até acho que com o desenrolar da história tenha ficado mais claro que na verdade ele não poderia ter salvado ela, mas a simples insinuação me deixou um pouco chateada. O Doctor não faria isso… Mas com a personalidade que foi dada para ele agora, fiquei em dúvida.

bf06

A Clara continua me incomodando. Seja a relação dela com o Doctor ou com os outros personagens, ela vai cada vez mais se distanciando da personagem que eu gostava na sétima temporada. Seja quando as ações dela se parecem cada vez mais com as do Doctor (tipo mandar o Lunn para ir pegar o celular – ele poderia até não correr tanto perigo, mas fazer aquilo de forma fria e calculista, sem nem um tiquinho de remorso?) ou quando ela exige do Doctor certas ações porque “ele deve aquilo para ela” (já não tínhamos passado dessa parte?), sinto que o seu potencial vai se extinguindo. É uma personagem que está perdida na história e seu final terá de ser muito bom para justificar sua permanência na série.

bf04 bf07

Não queria que a cada episódio a minha opinião de que ela deveria ter ido embora no Natal se mostrasse cada vez mais certa, mas está acontecendo. Queria poder dizer: “Ah, eu estava errada! A Clara ainda tinha uma bela história para contar!” mas não posso. Minhas esperanças estão depositadas em sua despedida. Quem sabe sua saída seja triunfal e me ajude a esquecer essas bobagens? Dedos cruzados. Não quero não gostar da Clara, mas aos poucos isso se torna impossível.bf05

Falando na relação do Doctor e da Clara, ela fica cada vez mais co-dependente, não? O fato de que ele deixa claro que faria absolutamente tudo para salvá-la me deixa desconfortável. O paralelo com World War Three, quando o Nono Doctor hesita em levar seu plano adiante e diz para a Rose “Eu poderia salvar o mundo mas perder você” é inevitável, mas quando isso aconteceu na primeira temporada, o conflito do Doctor sobre o que ele deveria fazer e as consequências de seus atos era evidente. Com o Doctor do Capaldi, não há conflito, não há hesitação, ele simplesmente não pensa nas consequências e isso, para mim, é errado. E eu não consigo atribuir isso à regeneração.

bf08

Fazendo outro paralelo, e aí nós vamos a um dos meus episódios favoritos, em The Satan Pit, o Doctor e a Rose estão separados, de uma maneira pior do que nós vimos em Before the Flood, já que eles não tem como se comunicar um com o outro. Mas ali, existe uma confiança mútua que eu sinceramente não vejo acontecer na relação do Doctor e da Clara. Aliás, no episódio com o Décimo Doctor e a Rose, eles só se salvam e conseguem controlar o Satã porque confiam um no outro. Senão, tudo iria por água abaixo. O próprio discurso do Doctor (um dos meus preferidos, só perde para o de The Rings of Akhaten) é sobre confiança, é sobre acreditar – na Rose, na humanidade. Mas a Clara… ela se coloca como vítima, como alguém que o Doctor tem que ir aos limites para proteger. E isso me incomoda muito.

bf10

Um outro ponto positivo foi a maneira como a Cass (personagem surda e quem estava responsável pela tripulação após a morte do Capitão) percebeu que havia um fantasma atrás dela. Quando ela se separou da Clara (e a Clara demorou muito para perceber) já imaginava que aquilo ia acontecer. Mas a maneira de ela ter sentido as vibrações que o machado fazia ao ser arrastado no chão e aí ter se safado foi uma cena muito legal. A explicação final do porquê o Doctor tinha um fantasma no futuro e como exatamente o paradoxo aconteceu também foi muito boa e, ainda bem, não entrou em razões mirabolantes. Achei inteligente.

bf09

No geral, o episódio foi bom. Meu problema com a Clara aumentou, sim, mas nesse episódio o Doctor não me incomodou tanto. Eu só gostaria de estar menos desanimada com a temporada e com a série em geral, mas esse desabafo completo acho que vou deixar para outro post. Até semana que vem, quando finalmente vamos descobrir certinho quem é a personagem da Maisie Williams, a Arya de Game of Thrones. mari

10 Comentários

Arquivado em Terças Whovians

10 Respostas para “Terças Whovians: Before the Flood

  1. Eu assisti o episódio e também não gostei da postura da Clara na cena que você citou. Por mais que a 9 temporada tenha voltado com tudo, pois estou adorando a atuação do Peter, acho que a Clara não consegue mais ser a mesma Clara da 7 temporada. A forma de que ela “não aceita” o doctor continua, por mais que ela tente mostrar que isso já passou sabe? Porém, como ela mesmo disse.. O Doctor ensinou que ela tem que fazer o certo, acho que ela está muito parecida com o Peter no quesito personalidade e isso é algo comum. Ela está convivendo e aprendendo com ele. Bom, já sabemos que ela sairá da série né? Vamos ver no que dá.

    Sobre o fato da Donna não ter sido citada, seria porque na época o Tennant disse que só seria história? Que a Donna seria visto apenas como história e bla bla bla ?

    Agora esperando o outro episódio *_*
    Beijos

    • Pois é, a Clara está me incomodando, mesmo que seja, como você falou, porque está cada vez mais parecida com o Doctor. E sim, eu amo a atuação do Peter também, apesar de muitas vezes não concordar com as ações do seu Doctor.
      Eu fiquei imaginando que a ausência da Donna na fala da O’Donnell poderia ter alguma razão como essa, mas depois fiquei pensando: poxa, ela sabe de tudo isso por causa da UNIT… será que na UNIT eles não teriam a história da Donna também? Não sei, me pareceu muito aleatório colocar todas as outras companions de New Who, menos a Donna. Enfim, vamos ver se eles explicam pra gente, né?
      Beijos!

  2. Antes de tudo quero deixar registrado aqui que não estou sabendo lidar com a euforia de ter encontrada mais uma whovian na blogosfera!! principalmente porque ela faz reviwes dos episódios!! Eu quero lhe abraçar, moça!❤ Pode ter certeza de que estarei aqui toda terça comentando os episódios com você🙂

    Bem, vamos ao episódio. Eu sou chata com essa temática de tripulação. Não gosto, fico meio desanimada sempre que vejo que tem algum episódio nesse estilo. Sei lá, chega a ser meio irônico eu assistir uma série de ficção científica, sobre um cara que viaja no tempo e espaço e não gostar nadinha dessa coisa de tripulação perdida no futuro-espaço, etc. Mas, ao mesmo tempo, estamos falando de Doctor Who, então o episódio não decepcionou.
    Dei um ataque quando vi a referência as companions? Dei. Fiquei louca da vida por terem esquecido a Donna? Fiquei também. Mas ok, vida que segue. Acho que compartilhamos da mesma opinião em relação a Clara. Ela tem tudo pra ser uma personagem incrível, mas na maioria das vezes acaba sendo uma chata que, na minha opinião, só atrasa a vida do Doctor, exatamente por causa dessa dependência absurda que foi criada. Acho até covardia comparar a relação Twelve/Clara com Ten/Rose, porque é o otp master da série!!! e não dá para comparar. A relação que eles tinham, a conexão, a confiança, acho que nenhum companion conseguiu alcançar (talvez a Amy com o Eleven, mas sou suspeita pra falar da Amy pois amo/sou).

    Estou falando demais e vou parar por aqui. Só queria dizer mesmo que foi um episódio legal e amei ter encontrado você por aqui para falarmos sobre DW❤ Já tô te seguindo no twitter então se quiser surtar por lá também estamos a disposição.

    Beijo
    http://www.blogrefugio.com

    • Primeiro de tudo: a euforia é completamente mútua! A primeira coisa que reparei quando entrei no seu blog foi a TARDIS ali do lado. Lógico, imediatamente soube que ali estava uma pessoa de bom gosto (o que me lembra que tenho que mudar o layout do meu para colocar uma TARDIS por aqui também, hahaha). Aliás, vou colocar o link pro seu blog ali do ladinho.
      Vamos ao episódio então: sim, a dependência que foi criada entre o Doctor e a Clara é algo que me incomoda demais. E é covardia mesmo comparar com Ten/Rose, concordo, afinal eles são outro nível. Mas acabei comentando e fazendo a comparação nesse post porque sinto que a série tem dado umas forçadinhas nesse sentido, e eu não gosto nada disso.
      Quanto a terem esquecido a Donna… bem, acabei de assistir o episódio dessa semana, o The Girl Who Died, e acho que a explicação pode estar ali. Não vou colocar exatamente porquê aqui, já que é spoiler e não sei se você já assistiu ou não, mas se quiser falar comigo no Twitter, estou lá e vou amar ter alguém para surtar comigo, hahaha.
      Qualquer coisa, terça que vem, meu post sobre o episódio vai estar aqui. Pode comentar aqui também! Vou parar por aqui porque senão escrevo um livro…😀

      Beijos
      Mari

  3. Eu gostei bastante do episódio e, ao contrário de você, tenho voltado a gostar da Clara nessa temporada. Na oitava, eu estava absurdamente de saco cheio dela e achava que o final perfeito pra ela era na lanchonete, quando ela mentiu para o Doctor dizendo que estava tudo bem, quando o Danny Pink tinha morrido, e ele mentindo para ela, falando sobre Gallifrey. Ponto. Morria ali essa relação. Mas o Moffat insiste nela, não entendo as escolhas desse cara…

    A Cass ter sentido as vibrações foi uma clara referência a Beethoven, que eu achei bem legal, já que o episódio citou a 5ª Sinfonia.

    Essa parte da dependência da Clara também me incomoda, mas eu acho que ela estar se tornando o Doctor, tendo a mesma personalidade, é algo comum… para salvar o mundo, é preciso ser prático.

    Para finalizar, eu tenho gostado mais dessa temporada que da anterior, para ser sincera.🙂

    • Então, a Clara para mim já devia ter ido embora. Eu gostava muito da Clara, mas a insistência da série em manter a história dela me fez cansar da personagem. Também não entendo as escolhas do Moffat e já desisti de tentar entender também, então o máximo que acontece quando estou assistindo é eu ficar de cara feia assistindo.
      E concordo com você: também tenho gostado mais dessa temporada do que da anterior, mas é que também eu gostei tão pouco da temporada anterior que isso não era muito difícil de acontecer, hahaha.

  4. Maria Lourdes

    Boa noite, Mariana!
    Enfim, mais uma semana e outro episódio com a chata tentando se aprumar na vida. Lenbra wue eu disse desde o ano passado que não aguentava mais a Clara/chata? Bom saber, pelos comentários anteriores, que não estou sozinha.
    Você fez as colocações exatas, concordo com tudo, Mari! E gostei muito do episódio, está muito melhor que a oitava temporada! (Apesar de a audiência ter baixado quase pela metade, no Reino Unido).
    Minha filha é fã do Capaldi, já disse isso a você. E ela tem uma explicação sobre a personalidade do 12, centrada nas escolhas seletivas que ele faz ao se relacionar com o mundo. Sim, ele vê tudo, se lembra de tudo – apesar de ter passado 800 anos em Trenzalore – mas a forma de analisar o mundo forma uma “gestalt” diferente da importância das coisas e pessoas. Ele vê, ele lembra, mas percebe de forma diferente das suas encarnações anteriores. Como resultado, reage de outra maneira e suas emoções e reações estão alteradas. O seu filtro de percepção, que todos nós temos, está calibrado diferentemente.
    E ele precisa da Clara, pois a emoção dele está MUITO descalibrada. Nós não gostamos do modo como ela age com ele, mas provavelmente é o que ele precisa.
    Não, não é a Rose, pois a Rose é o amor da vida dele. Nenhuma antes, nem depois, chegou a ser tanto para ele.
    Mas ele precisa tanto da Clara para somplesmente ser funcional, que pode ser que ele não sobreviva muito sem ela. Estou acha do que no especial de Natal poderemos ter o anúncio de um novo Doctor – e, com a ajuda do deus das séries, um novo showrunner.

  5. Maria Lourdes

    Desculpe os erros de digitação, estou assistindo justamente The Satan Pit e o Tennant simplesmente tira a minha concentração…

    • E de quem o Tennant não tira a concentração? Hahahaha
      Mas sim, concordo com você e acho interessante essa teoria sobre o 12. Não sei se concordo com ela para justificar as atitudes dele, mas é algo para se pensar, com certeza.
      E Doctor Who precisa de uma regeneração total, ou essa audiência vai continuar caindo lá no Reino Unido.😦

      • Maria Lourdes

        Sim, Mariana, estou preocupada com a audiência, também… Está em média um terço do que era na época do Tennant – 13 milhões para pouco mais de 4,5 milhões do Capaldi… Estou com a sensação de que eles vão tentar uma companion bombástica… Ou regenerar o Capaldi no Natal. Pena.
        Tomara que tragam uma companion bombástica, junto com um novo showrunner. Afinal, é ele que merece ficar desempregado…

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s