Arquivo da tag: YA

Acabei de Ler: Isla and the Happily Ever After – Stephanie Perkins

Finalmente li esse livro, que nada mais é que a história final no universo de Anna e o Beijo Francês, cuja história seguiu com Lola e o Garoto da Casa ao Lado e que agora se encerra com Isla e o Final Feliz, já publicado aqui no Brasil. Porém, como eu havia comprado a edição capa dura logo que ela havia sido lançada lá fora, li o livro em inglês mesmo.isla Continuar lendo

Anúncios

16 Comentários

Arquivado em Acabei de Ler

Acabei de Ler: À Procura de Audrey – Sophie Kinsella

Sophie Kinsella, autora conhecida internacionalmente por seu livro “Os Delírios de Consumo de Becky Bloom”, veio ao Brasil na última Bienal do Livro do Rio, principalmente para divulgar seu mais novo trabalho, seu primeiro livro YA chamado À Procura de Audrey.procuraaudrey

Continuar lendo

11 Comentários

Arquivado em Acabei de Ler

Acabei de Ler: Trilogia A Seleção – Kiera Cass

Eu nunca fiz a resenha do primeiro livro aqui, A Seleção, quando eu li, há algum tempo atrás. No desafio de ler os livros físicos que se encontram na minha lista, acabei lendo, um atrás do outro, A Elite e A Escolha e resolvi fazer a resenha completa, da trilogia inteira.

kieracass  Continuar lendo

2 Comentários

Arquivado em Acabei de Ler

Algumas Considerações sobre os Spoilers de Allegiant

Distopias são hoje uma grande parte do mercado literário de YA. Afinal, após o sucesso tremendo de Jogos Vorazes, várias outras distopias ganharam espaço, como A Seleção ou Delirium, e claro, Divergente, trilogia escrita pela Veronica Roth que acabou de ter o último livro da série lançado ontem (22/10), Allegiant. Aliás, grandes spoilers já tinham vazado antes do lançamento (com direito a PDF sendo distribuído na internet e tudo), inclusive teve gente que recebeu o livro antes da hora. Mas até que se confirmem os spoilers, a coisa ainda não tinha estourado do jeito que estourou.
 allegiant
E estourou mesmo. Essa não é uma resenha do livro, pois ainda não o li nem mesmo li o tal do PDF, então não posso dar minha opinião nesse sentido. Essa são apenas algumas observações a respeito das várias opiniões deixadas por quem já leu nos sites da internet (eu me concentrei mais nos comentários deixados no site Hypable e na Amazon.com, onde diga-se de passagem, a imensa maioria das reviews são negativas, com uma ou duas estrelas).
E por falar abertamente de spoilers, fica aqui o anúncio: NÃO CLIQUE NO LINK ABAIXO SE VOCÊ NÃO QUER SABER OS SPOILERS TANTO DE ALLEGIANT QUANTO DE JOGOS VORAZES (A ESPERANÇA):

12 Comentários

Arquivado em Acabei de Ler, Bolinhas Aleatórias

Acabei de Ler: Fangirl – Rainbow Rowell

Eu já fui uma criança normal (nossa, que jeito lindo de começar uma resenha). Não muito normal, mas ainda assim, já fui alguém que gostava de livros e séries de tv de uma maneira considerada aceitável pela maior parte da sociedade. Mas então, no Natal de 2000, minha mãe me deu de presente os dois primeiros livros da série Harry Potter. Como sou uma devoradora de livros, antes do ano novo, os dois livros já estavam devidamente lidos. No meu aniversário de 14 anos, ganhei o terceiro.

Até esse momento, devo admitir que apesar de estar amando muito a história, ainda não tinha nada fora desse estranho conceito que nós temos de “normal”. Estranho e entediante.

Foi após ler o quarto livro, e ficar obviamente muito ansiosa pela continuação da história, que algo despertou em mim. Gosto de dizer que eu já tinha esse gene geek escondido no DNA, mas que foi nesse momento que ele se ativou. Sem nenhuma data para o lançamento do quinto livro da série (para quem não se lembra, entre o lançamento de Harry Potter e o Cálice de Fogo e Harry Potter e a Ordem da Fênix foram três looongos anos), resolvi fazer algo que iria mudar a minha vida: joguei Harry Potter num site de busca (não foi o Google… talvez tenha sido o Cadê?, lembram dele?) e acabei descobrindo as benditas fanfictions.

A partir daí, para encontrar fóruns sobre o assunto, conhecer gente que amava e alimentava minha paixão por Harry Potter e discutir teorias e mais teorias, foi um pequeno pulo. O fandom (uma palavra que até então eu não conhecia) me puxou de uma forma que logo fui encontrando meu lugar nesse pequeno mundo cibernético e, consequentemente, libertei a fangirl que existia dentro de mim. fangirl

O livro de Rainbow Rowell tem como personagem principal alguém com quem obviamente me identifiquei bastante. Talvez não possa dizer que sou parecida com a Cath, mas com certeza entendo o mundo dela. Fangirl acompanha a jornada de Cath, que acaba de ir para a faculdade com sua irmã gêmea, Wren.

Para Cath já é terrível ela ter que lidar com novas e aterrorizantes aventuras diárias, como conversar com gente nova e ter que comer num refeitório, mas o fato de sua irmã querer arranjar outra companheira de quarto e acima de tudo, não querer mais nada com Simon Snow, série de livros (e filmes) que as duas eram ativas no fandom e inclusive sobre a qual escreveram várias fanfics juntas, é para ela o pior de tudo. De repente Cath se vê sozinha e abandonada por aquela que ela achou que sempre estaria ao seu lado.

O interessante do livro é que ele não se limita a contar sobre a vida de fangirl da Cath. Na verdade, a autora explora o porquê de Cath gostar tanto de escrever fanfics, mas não faz disso algo ruim, e sim utiliza o fato para contar sobre a jornada que ela percorre, inclusive de se descobrir como pessoa e como escritora, além de suas fanfics.

É um livro sobre crescimento pessoal, sobre como lidar com as relações familiares, com amizades novas e com situações que podem parecer assustadoras para aqueles que não se sentem à vontade ao lidar com o desconhecido. Consegue, sem ser piegas e sem apresentar soluções mágicas para as vidas dos personagens, parecer real.

Uma leitura leve, divertida e principalmente, perfeita para quem convive no meio de fóruns, é chamado de nerd por gostar demais de alguma coisa e sabe a alegria que é participar ativamente de um fandom. E para quem ainda não sabe o que é, vale a pena para ficar conhecendo e tirar alguns preconceitos da cabeça. mari-transp

4 Comentários

Arquivado em Acabei de Ler

Acabei de Ler: Lola and The Boy Next Door – Stephanie Perkins

Nesse livro que acompanha Anna e o Beijo Francês, dois adolescentes descobrem que o amor verdadeiro pode estar mais próximo do que eles imaginam. Para a aspirante a designer de roupas Lola Nolan, quanto mais extravagante for a roupa – com mais brilhos, mais divertida, mais fora do normal – melhor. Mas, ainda que o estilo da Lola seja totalmente fora do comum, ela é uma filha dedicada e uma amiga com alguns grandes planos para o futuro. E tudo parece estar perfeito (incluindo seu lindo namorado cantor de rock) até que os gêmeos Bell voltam a morar na casa ao lado da sua. Quando a família volta e Cricket – um inventor e engenheiro talentoso – sai da sombra de sua irmã gêmea e volta para a vida de Lola, ela deve finalmente lidar com seus sentimentos pelo garoto da casa ao lado. (Tradução livre da sinopse do livro).

Eu já tinha lido “Anna e o Beijo Francês” da mesma autora, e achei uma delícia de ler. É um livro bem leve, com personagens interessantes e que ainda se passa em Paris, descrevendo alguns dos seus pontos históricos e também um pouco da cultura, da gastronomia e do dia-a-dia na chamada Cidade-Luz. Foi por ter gostado tanto desse livro que acabei arriscando comprar via internet “Lola and The Boy Next Door”. E posso dizer que não me arrependi.

“Lola and The Boy Next Door” tem uma capa um pouco melhor do que “Anna e o Beijo Francês”, mas mesmo assim devo confessar que não é o tipo de capa que me atrai quando estou na livraria. Não sei porque, mas capas com fotos de pessoas são as que menos me chamam a atenção. Mas, como eu já tinha lido o primeiro livro da Stephanie Perkins, algo me dizia que valia a pena.

Lola é uma personagem que te conquista logo de cara. Ela adora moda e se veste como quer, não se importando com o que os outros vão pensar dela. É simplesmente parte do que ela é. Sua mãe biológica é cheia de problemas e logo que ficou grávida ligou para o irmão mais velho para que ele a tirasse da enrascada (algo que ela continua a fazer durante a vida, conforme a gente percebe na leitura) e então ele, junto com o seu companheiro, adotou Lola. O problema de seus dois pais é que eles são extremamente protetores e por isso não conseguem aceitar o namoro dela com Max, que é bem mais velho.

Os problemas de Lola só aumentam quando os Bells voltam a morar na casa ao lado da sua. Lola já tinha sido muito apaixonada pelo filho dos Bell, Cricket, mas devido a alguns fatos que ocorreram logo antes de eles se mudarem para acompanhar a irmã gêmea de Cricket, Calliope, que treina patinação artística, agora Lola não quer mais nada com ele… certo?

Vou confessar: não gostei do Max desde o princípio. Li várias resenhas de meninas que gostaram dele, mas pra mim, ele me pareceu arrogante e egoísta demais, apesar de ir (leia-se enfrentar) aos brunchs de domingo com os pais da Lola. E logo de cara já tive uma quedinha pelo Cricket, com as suas invenções e com seu jeitinho tímido. Sou muito mais o cara nerd. Lola trabalha no mesmo cinema que Anna, e aí a gente pode ver o casal Anna e Étienne St. Clair depois do final do primeiro livro e dar mais uns suspirinhos por esses dois.

Enfim, se você gostou de Anna e o Beijo Francês, vai amar esse livro. Não é um livro que vai mudar a sua vida, mas nem todo livro deve ser. É uma leitura gostosa, bonitinha, para relaxar e acabar o livro suspirando. Eu simplesmente não conseguia parar de ler e em dois dias já tinha chego ao fim (e isso que eu tive um monte de coisa para fazer nesses dias). O vocabulário é fácil também, por isso, se você quiser arriscar ler em inglês, vá em frente, vale a pena arriscar! Ou também você pode esperar, o lançamento da versão em português do livro está prevista para sair ainda esse ano pela Editora Novo Conceito.

Se você tiver algum livro desse gênero para recomendar, deixe nos comentários, por favor.

2 Comentários

Arquivado em Acabei de Ler